quarta-feira, 24 de julho de 2013

Sophia de Mello Breyner Andresen

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os Homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes...
e calma"

Sophia de Mello Breyner Andresen

quinta-feira, 14 de março de 2013

14 de março, dia Nacional da Poesia.


O poeta é um fingidor. 
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve, 
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.

Fernando Pessoa.


14 de março, dia da Poesia.


Imagem daqui.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Saudade, Silence, Mia Couto e Lucia Maria

Faz tempos que não apareço por aqui.
Faz tempos que rabisco nos rascunhos devaneios que não ouso publicar. 
Não por agora. 

Nem sempre é possível compartilhar nossos pensamentos, anseios, dúvidas, alegrias...
Mas essa semana eu não podia deixar de passar por aqui e registrar uma leitura e uma música que mexeram profundamente comigo.

Sincronicidades...



"A saudade é uma tatuagem na alma.
Só nos livramos dela perdendo um pedaço de nós."
Mia Couto









Leia, sinta, vivencie, seja lá o que for, tendo como fundo musical, Lucia Maria:







Saudades... dentre tantas coisas, da leitura e da escrita. Da poesia. Deste cantinho aqui...

domingo, 13 de maio de 2012

E quanto a ti?


"(...)
- Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.
-E ela? E a bagunça na vida dela? Quem vai por ordem?
(...)"

In: O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Imagem Filmes, 2002.



sábado, 5 de maio de 2012

D'Esperança


No fundo, por pior que tudo possa parecer ser, há sempre a esperança de uma luz no fim do túnel.
Percebeste? É A Esperança.

No fundo você sabe que nem tudo está perdido.

Psiu. É! você mesmo! 
Eu sei que aí no fundo ainda há uma semente pronta para germinar.










Imagem daqui.

sábado, 22 de outubro de 2011

Monteiro Lobato e o ato de escrever.

"Escrever é gravar reações psíquicas. O escritor funciona qual antena - e disso vem o valor da literatura. Por meio dela, fixam-se os aspectos da alma de um povo, ou, pelo menos, instantes da vida desse povo."
Monteiro Lobato, 1882-1948.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Meu novo vício musical

Ouçam-na.
Simplesmente Divina.

Adele.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Do momento...

Um momento em suspensão... só isso... É possível? Eu quero... 
Imagem daqui.

"Coisas da vida"...

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

E aí?

Às vezes aparecem-nos situações impostas pela vida...

Que caminho tomar?
Imagem daqui.
Que atitude ter?
O que fazer?
Qual a razão disso tudo?

Mais perguntas que respostas...

Enquanto isso, um pouco de silêncio para ouvir a voz que vem de dentro. Ouvir a música que toca insistentemente lá dentro. A melodia que tranquiliza. A paz que sempre esteve convosco.

A vida é bela!
E mágica!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Do dia e seus acontecimentos

Mesmo os símbolos anunciando um dia de harmonia e paz,
ainda assim entraves.

Mas nada que perturbe tanto assim.

Houve sim, momento de quase pânico.
Tudo bem, um pouco de exagero, embora as sensações sejam subjetivas, concorda?

Imagem daqui.
No fim, tudo acabou bem.
À sua Luz.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Isabela

Isa é uma menina meiga, doce...
Bela de coração, que só deseja o bem.
Ela anseia que um dia as pessoas percebam a beleza e a poesia nas pequenas coisas e momentos da vida, como ela vê.

Acontece que Isabela não é muito de expressar o que sente, o que pensa. Prefere ficar de longe, só espiando... Viver em seu mundo, onde tudo é belo, onde o amor impera.

Isa, a Bela, não é bem interpretada pelos que a cercam. 

Pena.
Não sabem o que poderiam encontrar...

Enquanto isso, Isabela, que não liga muito pra essa gente que não gosta de poesia, que apenas "passam pela vida", continua convicta de seus sentimentos.
Seu coração é seu guia...

(...)

domingo, 23 de janeiro de 2011

De volta, depois de tanto tempo...

Faz tempos que não apareço por aqui!
Sinto falta de postar. Mas meu veio literário anda "ausente". Criatividade, zero.

Enquanto isso, aproveitei esse tempo para estudar o Tarot e resolver pendências que aparecem normalmente pela nossa vida.

Aproveitei também para ler um livro que já foi citado por aqui: A Trégua, de Mário Benedetti. Honestamente, esperava mais do livro. Fiquei depressiva durante a leitura, isso sim. Não quero desmerecer o trabalho do autor, nem tenho direito pra isso. Simplesmente não gostei do livro.

***
Espero que 2011 venha repleto de poesia, de cor, de perfume, de uma alegria contagiante, fazendo-nos a cada dia ter certeza de que tudo vale a pena.

Tudo de bom para nós!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Pato Fu - Simplicidade

sábado, 16 de outubro de 2010

Solidão.

Esperava sempre pelo melhor. "Quem sabe no futuro as coisas serão diferentes?".

Mas às vezes, antes mesmo que o futuro chegasse, a solidão pegava forte. Sentia-se só.

Algo meio sem explicação.

Por que tem que ser assim?

Por que o Criador permite que seus criados, suas criaturas, sintam-se sós? Como se não houvesse perspectiva de nada? Uma solidão sem explicação. Uma sensação de vazio. De nada.

Como pó viestes.

Como pó voltarás.


sexta-feira, 17 de setembro de 2010

De questionamentos...

(...)


E ele a questionou:


- Será que vale a pena dedicar-se com tanto afinco a ponto de prejudicar a si mesma? Não, não digo que deva esperar das pessoas reconhecimento. Aliás, nunca espere isso delas. Dirão a você “não faz mais que sua obrigação”... Que seja! Ainda assim, não retiro a pergunta que lhe fiz.


E ela continua a pensar na resposta...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Olhar o Luar Copyright © 2010 Olhar o Luar Art Template by Olhar o Luar's Blogger Template